Na Cínica José Fontes recorremos à Osteopatia Chinesa. Da tradução literal de Zheng Gu – corrigir ossos – é uma das áreas que pertencem à Medicina Chinesa. Uma forma de tratamento direta, com métodos de diagnóstico mais rápidos, que proporciona uma visão global do paciente.

O tratamento engloba o alinhamento, relaxamento, mobilização e recuperação de todos os tecidos afectados, e não apenas das articulações, incluindo os músculos, tendões, nervos, vasos sanguíneos, fáscias e órgãos.

Sendo uma das áreas da Medicina Chinesa, esta terapêutica beneficia dos princípios que regem e servem de guia para esta milenar prática médica.

Por isso, temos em consideração o equilíbrio do corpo no geral, e o sistema de meridianos/canais energéticos, que constituem uma rede que interliga todo o corpo, conecta os órgãos e os relaciona com a superfície do corpo.

 

Clinica-José-Fontes_osteopatia

 

As correções podem ser realizadas puramente através de técnicas osteopáticas (consulta de Osteopatia Chinesa).

Ou podem ser realizadas combinando outras terapêuticas médicas chinesas que potenciam os efeitos do tratamento, como é o caso da ventosaterapia chinesa, a massagem chinesa (tuina), e a acupuntura (consulta de Medicina Chinesa).

É um serviço integrado, global, com diferentes estímulos para um maior estímulo global dos tecidos lesados e um melhor resultado global.

Em que situações é indicada

A Osteopatia Chinesa é indicada, como forma principal de tratamento ou como complemento, nas seguintes situações:

  • Dores nas costas: dor lombar ou dor dorsal
  • Dor no pescoço e torcicolo
  • Dores musculares: agudas ou crónicas
  • Tensões e contracturas musculares
  • Tendinites, tendinoses e bursites
  • Dores crónicas
  • Dor ciática (ciatalgia)
  • Hérnias discais
  • Entorses
  • Disfunções da ATM (articulação temporo-mandibular)
  • Dores durante a gravidez
  • Dores de cabeça e enxaquecas
  • Dor nos joelhos
  • Dor no ombro e cotovelo
  • Dor no pulso e tornozelo
  • Lesões desportivas
  • Lesões por esforço e pelo trabalho

O que acontece durante a consulta de Osteopatia Chinesa?

Nesta consulta o paciente é avaliado para uma compreensão do que se passa com o seu corpo, quais as estruturas afectadas e quais as posturas incorrectas que estão a gerar o problema.

De seguida são combinadas técnicas de tratamento, que incluem, para além das correções osteo-articulares, o tratamento de todo o tecido envolvente, sejam músculos, tendões, ligamentos ou fáscias. Este trabalho é muito importante para que a correcção articular que é feita no final do tratamento seja suave e o efeito perdure no tempo.

Caso contrário, ou seja, se é apenas feita a manipulação da articulação, o problema normalmente volta passados poucos dias. Isto acontece porque os músculos tensos puxam os ossos, alterando-lhes a posição. Quando o músculo (e outros tecidos) é relaxado e depois os ossos alinhados, o resultado é perfeito.

Quantos tratamentos são necessários?

O número de tratamentos dependerá da condição em que se encontra. No entanto, em média, são necessários quatro a cinco tratamentos.

Porquê recorrer ao nosso método de tratamento?

O nosso método de tratamento engloba:

  • Avaliação cuidada do paciente
  • Tratamento com diferentes técnicas para obter o melhor resultado
  • Tratamento do tecido mole (músculos, tendões, etc.)
  • Tratamento da articulação (correcção articular, alinhamento da coluna)

A importância de uma boa avaliação

Quando é descoberta a origem do problema, este pode ser eliminado desde a raiz.

Apresentamos, como exemplo, dois casos clínicos, que obtiveram excelentes resultados através da consulta de Osteopatia chinesa:

Caso clínico 1

Paciente com dor lombar, com predominância do lado direito. Após o tratamento muscular, com massagem terapêutica (Tui Na), o paciente sentia-se muito melhor, mas ainda tinha alguma dificuldade em flexionar o tronco para a frente. Foram então realizadas manobras de correção osteo-articulares para corrigir a subluxação articular das vértebras lombares que se encontravam desalinhadas. Após a correcção, o paciente deixou de sentir qualquer dor.

Não adiantaria tratar apenas os locais afectados, porque se assim fosse, as dores voltariam mais cedo ou mais tarde.

Caso clínico 2

Paciente com dor no joelho esquerdo. Já apresenta artroses e desgaste da cartilagem do joelho. Na avaliação foram também detectados desequilíbrios musculares que interferiam com a posição da rótula e uma forma errada de pousar o pé no chão. O tratamento consistiu em corrigir todas estas alterações por forma a obter bom resultado e o paciente ficar bem a curto, médio e longo prazo.

 

> Marque a sua consulta connosco